sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Invidia-Virtvtem.













"Não tenho medo da morte.Afinal estive mais tempo
morto do que vivo."
Jean Cocteau

8 comentários:

MUMIA disse...

Correcção: "Não tenho medo da morte.Afinal estive muito mais tempo morto do que vivo."- Jean Cocteau

Silvares disse...

Andas numa de STENCIL, hein? É uma técnica que me interessa. Cada vez tenho mais miúdos a trabalhar com latinhas nas aulas de Oficinas de Artes. É uma das formas de expressão do presente. Parece ter algum futuro. No entanto e apesar de na tela ganhar uma dimensão bastante interessante, a parede na rua é sem dúvida o seu suporte mais "natural". Força nisso.

Jo-zéi F. disse...

Este trabalho é de 2004, da exposição "O Homem Invisível"na ZDB,onde participámos. Não te lembras?
---Chamo-lhe o Spray Caseiro (S/tela,claro).

Silvares disse...

Eu bem sabia que conhecia esta imagem de qualquer lado. Por vezes penso se não terei alguma daquelas maleitas que nos vão comendo a memória aos bocadinhos... ou talvez seja apenas demasiada informação armazenada cá no sótão!

Jo-zéi F. disse...

Os anos não perdoam...
Foste à inauguração do Fonte S. ou nâo? Mais outros ARTISTAS ...E que tal???
Gostei da pintura do mail que ele enviou.

Vertigo disse...

Sim...ainda dá para ver que tem um tamanho considerável...Conheço pouco a técnica; acho que os Mickeys são malévolos...e as texanas em movimento fizeram-me lembrar um clássico espectáculo para a juventude americana nos Aanos 70, não sei porquê (???), que era o laserdome...Um conceito de entertenimento no escuro apenas c música e imagens laser em movimento...

Vertigo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=i2PQr7cR-A8

Tens aqui uma amostra do que é um laserdome...acho que a ideia q tive acerca das botas texanas foi porque uma vez vi um com temática country...deve ter sido p isso que me lembrei :)

Vertigo disse...

Provavelmente perguntas mas pq raio se lembrou ela do laserdome?!?! é q nao tem nada a ver...

...mas eu sou uma leiga...p isso as minhas opiniões são do mero observador, cidadão comum sensível umas vezes mais outras menos...a recensão crítica mais completa sobre um trabalho teu acaba por ser isso mesmo, as minhas impressões e associações pessoais no q vejo ... :D

Bjinho