quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Há noites assim!

Noites que até parecem dias de tão estupidamente banais na forma como a sorte nos abandona e nos deixa de mãos a abanar quando tudo parecia indicar que íamos ter uma sorte do caraças e finalmente alcançaríamos os píncaros da lua cheia da felicidade humana mesmo que apenas deitassemos as manitas à chicha fresca de tenrinha que a tal chavala meio estúpida abana no subir da ladeira em direcção à escadaria infinita da igreja.
O céu podia ser o limite mas ficamo-nos pela bosta na calçada.

2 comentários:

Anónimo disse...

Noite muito porrerra, de lua cheia ,mais o burro que fugiu do presépio... e lá vai a gaija.

mumia disse...

não é fácil sobreviver ao Natal, a malta sabe...andamos mais terra a terra.